sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Kabalah

Shalom chaverim !!!

Depois de alguns meses sem escrever, consegui um tempinho para falar rapidamente sobre um tema bem interessante. Nos últimos anos, tem havido uma grande febre entre os famosos, e que por consequência atinge os seus fãs. Essa moda tem um nome: Kabalah !!! Muitos falam, alguns seguem, poucos conhecem de fato o que é kabalah. A definição mais simples de kabalah diz que é a mística judaica, mas o que isso representa ? Para muitos representa o oculto, o conhecimento das coisas que a maioria das pessoas não conhecem, algum tipo de poder mágico; para outros, é algo pecaminoso, que foge aos propósitos do Eterno, algo esotérico, como a Nova Era, ou bruxaria.

Vamos ver porém, qual é a definição de "misticismo":

"mis.ti.cis.mo

sm (mistico+ismo) 1 Filos Crença religiosa ou filosófica dos místicos, que admitem comunicações ocultas entre os homens e a divindade. 2 Aptidão ou tendência para crer no sobrenatural. 3 Devoção religiosa; vida contemplativa. 4 Fanatismo por uma doutrina. 5 O lado misterioso de qualquer doutrina. M. cristão: o desapego de si mesmo por amor de Deus."

Fonte: Michaelis

Alguém diria, depois de ler essa definição, que a bíblia não é um conjunto de livros místicos ? Duvido muito, pois o dicionário acabou de descrever o que é a vida de um crente, de alguém que adora ao Eterno.

Diz a tradição judaica que quando Mosheh (Moisés) recebeu a Torah, o Eterno também lhe confiou os segredos mais profundos sobre Ele e sobre tudo o que Ele criou. Mosheh desceu do monte, chamou as pessoas e anunciou a Torah; depois ele chamou algumas pessoas, e contou alguns segredos sobre a Torah. Em seguida, Mosheh escolheu dentre esse pequeno grupo, um grupo menor ainda para lhe transmitir segredos ainda mais profundos. A este conhecimento recebido por Mosheh, chamamos de "kabalah", que em hebraico significa "recebimento". Um judeu só deve começar a estudar a kabalah após os 40 anos, pois segundo o judaísmo essa é a "idade da sabedoria", pois antes de chegar nesse ponto, o judeu passou por todo o ciclo da vida judaica e de estudo sobre a fé de nossos pais, o que inclui a Torah, os Profetas, os Escritos (Tanach), a Mishná, a Guemará (Talmud), os Midrashim, etc. Então agora sabemos melhor o que significa a kabalah !!!

Segundo a hermenêutica judaica, existem quatro níveis de interpretação das escrituras, e o nome destes métodos é formado pela inicial do nome de cada um deles: PRDS, que foi vocalizado como "Pardes". Esses níveis são:

Pashat - É o nível mais básico de interpretação, pois é a idéia primária que o texto deseja transmitir, ou seja, o lado literal do texto. Por exemplo:

"No princípio criou D-us os céus e a terra."

Bereshit - Gênesis 1.1

Lemos o texto, e devemos entender que o Eterno criou os céus e a terra no início dos tempos, e esse sentido literal não pode ser perdido, pois a regra mais básica para usar esses níveis é: Nenhuma passagem perde o nível pashat !!!

Remez - Trata-se do nível alegórico, daquilo o que pode ter um sentido figurado, ou que na verdade faz referência a outra coisa ou assunto. Por exemplo:

"Tudo isso aconteceu para cumprir o que Ad-nai disse por meio do profeta: 'A virgem conceberá e dará à luz um filho, e eles o chamarão Imanu'el'."

Matityahu - Mateus 1.23

O texto acima faz referência à profecia de Yeshayahu - Isaías 7.14, mas o texto em questão traz uma profecia que servirá de sinal a Achaz haMelech - O Rei Acaz, porém, Matityahu aplicou a mesma profecia ao Mashiach, através de alegoria, e portanto usando o nível remez.

Drash - Consiste em procurar explicações para um texto bíblico nas próprias escrituras, seja em textos anteriores ou posteriores à passagem a ser entendida. Por exemplo:

Várias passagens dos evangelhos, são explicadas buscando-se referências no Tanach ("Antigo" Testamento), como as profecias cumpridas pelo Mashiach.

Sod - É o nível mais profundo de compreensão da Torah, e consiste de buscar os segredos mais profundos por trás dos textos bíblicos. É a kabalah propriamente dita, ou seja, a revelação mística da Bíblia, verdades que mudam vidas de forma sobrenatural. Também pode ser usado na guematria, que consiste de utilizar os valores numéricos das letras hebraicas (pois antigamente as letras hebraicas serviam de números também). Por exemplo:

"...deve calcular o número da besta, porque é o número de uma pessoa, e seu número é 666."

Chazon Yochanan - Revelação 13.18b

Como os leitores podem ver, esse é um caso típico de uso da kabalah. Todo o livro da Revelação contém passagens cabalísticas como as 7 taças, os 7 ais, os 7 selos, os serem viventes e os anjos. Sha'ul haShaliach (Paulo) também fez uso da kabalah quando falou sobre "o terceiro céu", a "multiforme graça de D-us", entre outros.

Agora um exemplo prático do uso do Pardes:

O livro de Matityahu (2.23) diz que havia sido profetizado que o Mashiach seria chamado de "nazareno". Acontece que não existe essa profecia no Tanach, e nenhum profeta disse isso, e até mesmo os não-crentes (incluindo judeus) desafiam os crentes a encontrar essa profecia. Será mesmo que não existe essa profecia ? Primeiro vamos ver a palavra "nazareno" em hebraico: נצרי - Notzri. Se analizarmos mais atentamente os profetas, encontraremos uma ligação no seguinte texto:

"Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas raízes, um renovo."

Yeshayahu - Isaías 11.1

A palavra hebraico para "rebento" é נצר - Netzer, que é quase idêntica à palavra "nazareno" em hebraico. Isso é o suficiente para aplicarmos o nível remez a esse texto fazendo referência ao fato de Yeshua ter sido conhecido como "nazareno". Além de termos aplicado também o nível drash para buscarmos explicações nas escrituras para um texto da própria Bíblia.

Todas essas coisas são bem diferentes do que vemos hoje sendo chamado de kabalah, porém, nenhuma delas fará sentido ou terá utilidade, se não tiver um único objetivo: Entender as escrituras e a vontade de haShem para as nossas vidas. Esse é o desejo de D-us e do Mashiach Yeshua !!! Existem muitas obras cabalísticas que deveriam ajudar a pessoa a entender melhor tudo isso (Sefer Zohar, Sefer Yetzirá, Tanya, etc), porém, a maior e única 100% confiável são as próprias escrituras.

Espero ter ajudado um pouco na compreensão do que realmente é Kabalah. Usem com sabedoria !!!

Shalom

3 comentários:

Nany disse...

Caramba! ótimo estudo chaver...
Kabalah é sempre motivo de engano por desinformação.

Abraço.
Nany Fraga.

Simão disse...

Muito Bom!!!!

Peço a gentileza de colocar sempre
a transliteração e tradução das palavras escritas em Hebráico, contidas nos textos.
-Qual é a tradução de ADONAI?

Saudações.
Simão Espíndola Bremekamp

agnaldofreitas disse...

shalom fico felis em ver artigos como este amo o povo de israel sei que um dia yhyh sera tudo e em todos e emtao seremos so o povo dele escreva mais gosto de aprender abraços